Chega de ser tratados como cidadão de segunda casta. 0 Fórum de Defesa da ZFM. criado pela atual gestão municipal é sinal de alento, pois alguns problemas de nossa economia mais parecem casos de justiça ou de polícia. Ou, quem sabe. de vontade política, pois os governos locais representam, legitimamente, o interesse da cidadania local. Prefeito e governador, portanto, tem credencial e amparo constitucional para por fim a este desrespeito institucionalizado.

Qual é a relação entre o PPE e a prefeitura Municipal de Manaus? De imediato, podemos dizer que é a mesma existente entre o PPB e o Governo do Amazonas. Há um nexo causal entre o processo produtivo básico, uma fantasmagoria burocrática criada pela união – com reflexos perversos na economia – e nosso Desenvolvimento Regional. 0 veto à industrialização de produtos de alta tecnologia, aqui edificado. significa impedimento de nosso processo de redução das inaceitáveis diferenças entre o norte e o sul do Brasil. Com o peso político e institucional efetivo do prefeito e do governador, junto com a bancada parlamentar, já teríamos expurgado este entrave à diversificação, adensamento e regionalização do crescimento socioeconômico e ambiental do programe Zona Franca de Manaus

Pão nosso de cada dia

Este é o espírito da estratégica aproximação entre a prefeitura de Manaus e o setor privado do Amazonas em mais um debate do Fórum Municipal Permanente de Articulação com a Zona Franca de Manaus (FOPAZFM), um compromisso de campanha do prefeito David Almeida, que tem como coordenador/responsável, Gustavo Igrejas, ex-titular da Suframa. escalado para es prioridades operacionais do prefeito. Essa escolha traduza envergadura do compromisso. Afinal, o objeto deste Fórum nada mais é do que a galinha dos ovos de ouro nossa base de sustentação. 0 pão nosso de cada dia. Sem e ZFM ainda seríamos um Porto de Lenha para navios que há mais de um século não são mais movidos por energia do carvão. De quebra. não geraríamos riqueza para o combate diuturno da economia do tráfico.

Pautas inadiáveis

Na pauta de mais um encontro, teremos assuntos instigantes do momento. como revitalização do Centro, iluminação das áreas rurais e recuperação das vias do Distrito Industrial I e II. Tem sido um parto para alcançar estas pendências que poderíamos já ter resolvido desde sempre. Afinal. recursos para tais demandas são abundantes, mas infelizmente padecem o desvio de suas finalidades. Permanece a ideia de recuperar o urbanismo do Polo Industrial de Manaus na perspective de sua transformação em nicho de atração turística Afinal. temos o projeto arquitetônico de Oscar Niemayer há mais de uma década. Por que não retirar da prancheta?

Travamento burocrático e mal intencionado

Mas voltemos ao PPB, que nos mantém com apenas 0.6% dos estabelecimentos industriais do país. O Sudeste, onde é aplicada mais da metade da bolada de incentivo fiscal, tem 30% dos tais estabelecimentos apenas em São Paulo. Se chegarmos a 1000 empresas não saltaremos para 1% das indústrias em amanhãs, onde a taxa de mortalidade industrial supera a de natalidade. E faz tempo Um plano de travamento operacionalizado pela burocracia de um grupo de trabalho que atende os interesses de outras piegas. “Não vamos fazer nada contra a ZFM”. disse o ministro da Economia, ao assumir a cadeira. Além de nada fazer a Pavor, se desdisse, pois a redução das taxas de importação se aproximam de zero, gera empregos na Ásia. e dá as costas aos RS15 milhões de desempregados no Brasil.

 

Por: Nelson Azevedo/Vice-presidente da FIEAM