O superintendente da Suframa, Algacir Polsin, participou nesta quarta-feira, da 247ª Reunião Ordinária de Diretoria do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam), realizada por meio de plataforma digital, em razão da pandemia do novo coronavírus. A reunião foi conduzida pelo presidente da entidade, Wilson Périco, e contou com a participação de mais de 100 associados do Cieam.

Na ocasião, Polsin apresentou-se formalmente aos membros do Cieam presentes na reunião e afirmou que pretende fazer com que “a Suframa seja elemento integrador e facilitador em todos os sentidos”, ressaltando que tem se reunido com diversos atores sociais, entre governo do estado, entidades de classe, bancada federal, para criar uma sinergia em prol do modelo Zona Franca de Manaus (ZFM).

O superintendente afirmou, ainda, que tem avançado em ações no Distrito Agropecuário da Suframa (DAS) e pretende ampliar iniciativas junto ao comércio, massificando informações para demonstrar os benefícios da Zona Franca específicos para o setor, com vistas a auxiliar os comerciantes que foram fortemente afetados pela pandemia da Covid-19.

O Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) também foi citado pelo titular da Autarquia, que destacou o alinhamento com o Ministério da Economia em relação à definição da personalidade jurídica do Centro como uma fundação pública de direito privado. “Em breve teremos o CBA como um centro de tecnologia que irá transformar a biodiversidade amazônica em ativo econômico”, afirmou Polsin.

No que diz respeito às demandas voltadas ao Polo Industrial de Manaus, Polsin afirmou que a discussão dos Processos Produtivos Básicos (PPBs) será prioridade durante a sua gestão. O superintendente também informou que o retorno das obras de asfaltamento da malha viária do Distrito Industrial, por meio de convênio firmado com a Prefeitura de Manaus, já foi autorizado pela Suframa.

Relevância
A reforma tributária também norteou a conversa com a classe empresarial. O superintendente destacou pontos relevantes da ZFM, como o desenvolvimento regional, a integração e o apoio à população, além da importância do modelo para a balança comercial do País, os benefícios tributários e econômicos para o restante do Brasil e toda a importância para a população da região.

Na ocasião, o presidente do Cieam, Wilson Périco, apresentou dados da atuação das indústrias em relação ao novo coronavírus. “Atualmente temos 70% das empresas que estão com as suas atividades caminhando para a normalidade, o que nos dá um entendimento que com o final do isolamento social em vários estados e capitais, a retomada do comércio, impulsionado pelo auxílio emergencial que o governo federal tem disponibilizado, ajudam a compensar a questão do desemprego e o consumo aquecido reflete nas linhas de produção”, observou Périco.