A indústria de motocicletas manteve sinais de recuperação e produziu 122.220 unidades em abril. De acordo com levantamento da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo, o volume é 2,8% menor na comparação com as 125.756 unidades que saíram das linhas de montagem em março, diferença resultante dos três dias úteis a menos no mês de abril em relação ao período anterior.

Em relação a abril do ano passado, quando as fábricas praticamente pararam devido à pandemia do coronavírus, houve alta de 7.179,3% (1.679 unidades).

No quadrimestre, foram fabricadas 359.621 motocicletas, o que corresponde a uma alta de 20,2% na comparação com o mesmo período de 2020 (299.278 unidades). Esse foi o melhor resultado dos quatro primeiros meses desde 2019. Naquele ano, a produção somou 367.986 motocicletas.

Na avaliação do presidente da Abraciclo, Marcos Fermanian, os números comprovam a recuperação do setor. “Depois de um primeiro bimestre bastante difícil, a produção de motocicletas apresenta uma curva de recuperação e estamos bem próximos ao patamar registrado em 2019, o que comprova isso. A perspectiva para os próximos meses é de manter esse ritmo e, com isso, regularizar o abastecimento”, afirma.

Diante desse cenário, Fermanian confirma as projeções da Abraciclo de produzir 1.060.000 motocicletas em 2021, o que representa uma alta de 10,2% na comparação com as 961.986 registradas no ano passado. “Se mantivermos a produção nesse ritmo e tivermos uma aceleração no programa de vacinação para evitar uma nova crise sanitária mais grave, poderemos até fazer uma eventual revisão dos números no segundo semestre”, diz.

Vendas no varejo

O licenciamento de motocicletas totalizou 94.654 unidades em abril e foi 52% superior ao registrado no mês anterior (62.262 unidades). Fermanian afirma que esse aumento era esperado, devido a recuperação da produção das fabricantes instaladas no Polo Industrial de Manaus (PIM). “Até o mês passado ainda lidávamos com a falta de motocicletas no varejo devido ao impacto que as produções sofreram em janeiro e fevereiro. Agora, com esses novos índices produtivos, nosso objetivo é alcançar, gradativamente, o equilíbrio entre a oferta e a demanda e, com isso, reduzir a fila de espera por motocicletas”, destaca. “A entrega de alguns modelos já foi normalizada; outros, no entanto, ainda não e exigem que o consumidor aguarde um pouco mais. As fabricantes estão atentas para atender aos pedidos”, completa.

Na comparação com abril de 2020, quando o país era fortemente impactado pela pandemia, os emplacamentos aumentaram 235,1% (28.246 motocicletas licenciadas).

A Street foi a categoria mais vendida, com 48.158 unidades e 50,9% de participação no mercado. Em segundo lugar, ficou a Trail (20.535 unidades e 21,7% de participação), seguida pela Motoneta (11.563 unidades e 12,2%).

A média diária de vendas em abril, que teve 20 dias úteis, foi de 4.733 unidades. Este foi o melhor resultado para o mês desde 2015. Naquele ano, foram emplacadas 5.408 motocicletas/dia. Segundo dados da Abraciclo, foi registrada alta de 74,8% na comparação com março (2.707 unidades licenciadas/dia, em 23 dias úteis) e de 251,9% em relação ao mesmo mês de 2020 (1.345 motocicletas emplacadas/dia, em 21 dias úteis).

No acumulado do ano, os emplacamentos no primeiro quadrimestre somaram 300.098 motocicletas, alta de 9,1% na comparação com o mesmo período do ano passado (275.094 unidades). Quase metade das motocicletas emplacadas foi da categoria Street. No total foram 146.836 unidades, o que corresponde a 48,9% de participação no mercado. Em seguida, vieram a Trail (60.625 unidades e 20,2% de participação) e Motoneta (39.600 unidades e 13,2%).

Exportações

As exportações totalizaram 4.276 unidades em abril, volume 32,5% menor ao registrado em março (6.335 motocicletas) e 903,8% maior na comparação com o mesmo mês do ano passado (426 unidades).

 Segundo dados do portal de estatísticas de comércio exterior Comex Stat, que registra os embarques totais de cada mês, analisados pela Abraciclo, a Argentina foi o principal parceiro comercial, com 2.458 unidades e 38,9% do volume total exportado. Os Estados Unidos ficaram em segundo lugar, com 1.292 motocicletas e 20,4% do total exportado; seguido bem de perto pela Colômbia (1.269 unidades e 20,1%).

 No primeiro quadrimestre, foram embarcadas 17.441 motocicletas para o mercado externo, alta de 140,5% na comparação com o mesmo período de 2020 (7.251 unidades).

  As posições do ranking são as mesmas do levantamento mensal: Argentina (5.562 unidades e 31,1% do volume total exportado), Estados Unidos (5.130 unidades e 28,7%) e Colômbia (2.885 unidades e 16,1%).

Com 45 anos de história e contando com 14 associadas, a Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – ABRACICLO representa, no País, os interesses dos fabricantes de veículos de duas rodas, além de investir em ações visando a paz no trânsito e a prática da pilotagem segura. A fabricação nacional de motocicletas, quase totalmente concentrada no Polo Industrial de Manaus (PIM), está entre as sete maiores do mundo. No segmento de bicicletas, com as principais fábricas também instaladas no PIM, o Brasil se encontra na quarta posição entre os principais produtores mundiais. No total, as fabricantes do Setor de Duas Rodas geram cerca de 13,9 mil empregos diretos em Manaus/AM.