Uma linha de produtos voltado à limpeza facial que utiliza insumos naturais com base em extratos do açaí e copaíba – matérias-primas oriundas de comunidades extrativistas amazônicas – será lançada ao público em Manaus, na última quinta-feira (12), e foi desenvolvida com recursos oriundos do Programa Prioritário de Bioeconomia (PPBio), um dos quatro Programas Prioritários regulamentados pelo Comitê das Atividades de Pesquisa e Desenvolvimento da Amazônia (Capda), o qual tem a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) como comitente.

O lançamento demonstra o potencial da bioeconomia como mecanismo de desenvolvimento de negócios, uma vez que o processo fabril com uso de insumos segue padrões de qualidade internacional e tem atraído a atenção do mercado mundial, que tem prestigiado a sustentabilidade como fator chave para a agregação de valor a produtos.

“O trabalho que vai ser apresentado segue o que tem sido proposto pela atual gestão da Suframa, que é fomentar vetores econômicos que complementem a atividade já estabelecida na Zona Franca de Manaus. A bioeconomia é um destes vetores e sua potencialidade tem sido reforçada constantemente por diversos atores do segmento produtivo que têm estado atentos ao potencial deste mercado. A vasta quantidade de insumos naturais provenientes da região amazônica estimula essa atividade e é importante que se alie o extrativismo sustentável local com a atividade bioindustrial, para que vejamos resultados crescentes e positivos”, disse Alcimar Martins, superintendente adjunto de Planejamento e Desenvolvimento Regional e representante da Suframa no Capda.

Segundo o Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam), que coordena o PPBio, a inserção de produtos a partir de ingredientes da floresta proporciona um ecossistema favorável para o desenvolvimento da bioeconomia no Amazonas, levando a uma interação benéfica entre todos os pontos da cadeia produtiva.