Você já deve ter escutado falar em indústria 4.0 e inteligência artificial, equipamentos que instalam vários componentes por hora e tecnologias que podem indicar tensões nos músculos. Estes são exemplos gerados a partir da indústria 4.0, a qual já utiliza Inteligência Artificial (IA) em fábricas do Polo Industrial de Manaus (PIM), mas ainda é grande a carência de mão e obra para suprir esse mercado.
A ideia é utilizar e aperfeiçoar as máquinas. Esse processo teve início na primeira Revolução Industrial – e nunca mais parou. Por esse motivo, estão chamando de “quarta revolução industrial”. A conexão de máquinas com sistemas inteligentes e ativos, com isso é possível controlar diversas ações de maneira autônoma.

Qualificação profissional

Enquanto especialistas estão prevendo um “boom” no mercado de trabalho com a implantação e a chegada dessa quarta revolução industrial, outros estão notando os benefícios que essa tecnologia vai exigir que dos trabalhadores, que devem estar em busca de uma qualificação para saber lidar com esses equipamentos.
Para quem pretende se atualizar a respeito desse assunto o SENAI-AM disponibiliza cursos técnicos em Mecatrônica, para profissionais que pretendem atuar na execução e instalação de máquinas e equipamentos automatizados e sistemas robotizados.

Revolucionando o setor

Com a indústria 4.0 a produtividade nas fábricas deverá aumentar. A equipe do INVESTZFM tem conversado com empresários, visitando empresas, e é possível verificar, que a cada dia estão apostando em novas tecnologias. Aquele trabalho que antes era repetitivo está dando lugar a alguém que faça uma programação na máquina, e outros irão fazer a manutenção desses equipamentos gerando oportunidade para toda a sociedade.
O superintendente da Suframa, Alfredo Menezes, tem destacado o trabalho que vem sendo realizado pela Autarquia para fomentar iniciativas que contribuam para o pleno estabelecimento da Indústria 4.0 na região e, consequentemente, no País, o que deve garantir maior competitividade ao Brasil e alinhá-lo às economias mundiais, que cada vez mais convergem para o conceito de indústrias mais modernas e eficientes, que geram ganhos de produção. “Essa discussão promovida por esta Universidade ocorre no momento certo e traz um debate interessante e provocativo sobre a Indústria 4.0. O grande desafio de um polo industrial é a tecnologia, e no caso do Polo Industrial de Manaus é aliar essa tecnologia à sustentabilidade. Sabemos da necessidade de promover uma evolução na atividade hoje realizada em nossa região e isso com certeza será benéfico à nossa sociedade”, disse Menezes.
No ano passado, o superintendente viajou ao polo da Indústria 4.0 na Alemanha, localizado na cidade de Aachen, onde pôde estreitar parcerias que visam à atração de investimentos e tecnologias em prol da atualização da indústria instalada na Zona Franca de Manaus, bem como propiciar a capacitação da mão de obra local, a fim de que esteja preparada para as mudanças na atividade industrial que já são realidade nas grandes economias globais. “O que queremos é promover um reforço às indústrias nacionais, e mais especificamente do Polo Industrial de Manaus. Assim teremos uma atividade cada vez mais atual, consolidada e competitiva diante das demandas mundiais de produtividade e eficiência industrial”, comentou Menezes.