Com o objetivo de capacitar técnicos que atuam na atividade de pecuária em 22 municípios do estado, o Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam) realizou, na tarde de terça-feira (13/04), o Seminário sobre Pecuária Intensiva em Sistema de Pastejo Rotacionado. A programação, totalmente virtual, contou com a participação de pesquisadores e profissionais renomados na área e de referência nacional e internacional.

A iniciativa faz parte das ações do Idam para 2021, que visam intensificar o desenvolvimento da pecuária no Amazonas, de forma tecnológica, com a transição da criação de gado em sistema tradicional (gado solto e sem manejo) para o sistema intensivo, onde são utilizados o pastejo rotacionado e o manejo de pastagem.

De acordo com o diretor-presidente do Idam, Valdenor Cardoso, o Instituto está investindo em capacitações, através do programa de treinamentos com a consultoria da Agência de Cooperação Alemã (GIZ) para recuperação de áreas degradadas, com pastagem e manejo de pastagem no Amazonas. O trabalho é desenvolvido em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

“A estratégia é sair da pecuária extrativista, aquela que o produtor faz a pastagem sem repor nenhum componente químico, para a pecuária regenerativa, onde a pastagem passa a ser cultivada de forma sustentável, intensiva e rotacionada. Na área urbana de Parintins já temos 18 produtores que estão utilizando o pastejo rotacionado”, disse Valdenor, ao enfatizar que o sistema de produção na pecuária precisa desse ajuste para que seja possível avançar na atividade, que é considerada promissora e de expressivo retorno econômico para o estado.

Para a gerente de Apoio à Produção Animal do Idam, Meyb Seixas, essas atividades são necessárias para que as equipes possam levar conhecimento técnico e tecnologias para o campo.

“Temos trabalhado muito nesse processo de capacitação do nosso corpo técnico, durante esse período de pandemia. Temos muitos concursados ingressantes que são de outras regiões, de outras realidades, então nós selecionamos temas voltados para as condições amazônicas, justamente para auxiliar no processo de ambientação destes técnicos”, explicou Meyb Seixas.

Programação – O pesquisador da Embrapa Parintins, Jeferson Vasconcelos, apresentou resultados obtidos a partir de estudos realizados em forragicultura, explicando sobre o preparo do solo, a semeadura e a escolha da forrageria. Assim como a apresentação sobre as metodologias utilizadas no programa Balde Cheio, conduzida pelo chefe adjunto de Transferência de Tecnologia da Embrapa Sudeste, André Novo.

Para o desenvolvimento da pecuária intensiva no Amazonas, o consultor técnico do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Wanderley Tavares, destacou as tecnologias essenciais para a atividade no campo.

 

O veterinário e especialista em pecuária regenerativa, Mauroni Cangussú, abordou os aspectos que influenciam para a implantação de uma pecuária tecnológica de sucesso. Segundo ele, na pecuária sustentável os animais possuem mais espaço e maior produtividade. E para finalizar, o veterinário e superintendente do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Guilherme Pessoa, falou um pouco da sua experiência com a criação de gado em pastejo rotacionado.

Cadeia Produtiva – O Amazonas possui atualmente cerca de 16 mil produtores que desempenham a atividade de pecuária, com um rebanho de mais de 1,7 milhão de animais (bovinos e bubalinos).

O Idam vem desenvolvendo ações no setor, por meio do Projeto Prioritário da Pecuária nos municípios de Apuí, Autazes, Barreirinha, Boca do Acre, Careiro da Várzea, Careiro Castanho, Eirunepé, Envira, Guajará, Humaitá, Iranduba, Itacoatiara, Lábrea, Manaus, Manacapuru, Manicoré, Nhamundá, Presidente Figueiredo, Parintins, Pauini, Urucará, Silves e Itapiranga. Essas localidades representam 70% de todo o rebanho bovídeo do estado.