A produção de máscaras cirúrgicas e outros equipamentos de proteção individual (EPI’s), em Manaus, ganhou reforço nesta quinta-feira (26), com a doação de 20 máquinas de costura, pela Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM) à Secretaria de Administração Penitenciária. Com o novo maquinário, o número de itens produzidos semanalmente pelos internos do sistema prisional de Manaus vai passar dos 1.500 atuais para 10 mil. Os equipamentos, principalmente máscaras e aventais, são para uso dos profissionais da segurança pública e da saúde do Amazonas no combate ao avanço da contaminação pelo novo coronavírus no Estado.

Na entrega das máquinas ao titular da Seap, coronel Marcus Vinícius Oliveira de Almeida, na sede do Centro Integrado de Comando e Controle da Secretaria de Estado de Segurança Pública, o vice-presidente da FIEAM, Nelson Azevedo, lembrou que na iniciativa foi fundamental a parceria com o Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Manaus (Simmmem), e com o Sindicato das Indústrias de Bebidas em Geral do Amazonas.

“A indústria do Amazonas está atenta ao trabalho desenvolvido pelas autoridades de segurança e saúde em nosso Estado, especialmente frente às dificuldades enfrentadas com a reduzida oferta de equipamentos de segurança, fundamentais não só para os agentes de Saúde mas também para os pacientes. Com essas 20 máquinas, a produção de máscaras, que hoje praticamente desapareceu do mercado local, vai aumentar pelo menos seis vezes”, disse Azevedo.

Depois de confeccionadas, obedecendo aos padrões adotados pelo Ministério da Saúde, as máscaras passam por um rigoroso processo de esterilização em laboratório da rede pública de Manaus. A utilização da máscara é recomendada aos profissionais de saúde que atuem a uma distância inferior a um metro do paciente suspeito de infecção, e a pacientes infectados ou sujeitos à infecção.

De acordo com Nelson Azevedo, essa parceria FIEAM e Sindicatos, além da urgência de colaborar com os governos na questão da prevenção e combate ao novo coronavírus, envolve uma ação perene do Estado na ressocialização de internos do sistema prisional, oferecendo trabalho a homens e mulheres que necessitam de uma nova oportunidade para começar.

Azevedo lembrou que a Federação e as demais instituições que formam o Sistema Indústria no Amazonas vêm adotando desde o início do mês uma série de medidas para ajudar a minimizar os riscos da transmissão do coronavírus no Estado.

Entre essas medidas estão a suspensão temporária das aulas nas escolas do SESI e do SENAI, em comum acordo com o segmento industrial, especialmente com relação à Creche SESI, que atende a pelo menos 1.700 crianças, a maioria filhas de industriários. Também foram suspensas temporariamente as atividades do SESI Clube do Trabalhador e das duas unidades do SESI Saúde, no Centro e no São José (Unidade Leste).

“É claro que os prazos de duração das medidas, que envolvem também as atividades da FIEAM e do Instituto Euvaldo Lodi (IEL), estão sendo reavaliados constantemente de acordo com a evolução do quadro geral do vírus e das recomendações das autoridades. O combate a este novo vírus depende de cada um de nós”, disse Nelson Azevedo.

Fonte: Fieam