A pesquisa Retratos da Sociedade Brasileira, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostra que 41% dos brasileiros consideram que a geração de empregos deve ser a prioridade do governo para 2021. Esse percentual sobe para 52% da população nas regiões Norte e Centro-Oeste e preocupa mais as famílias com renda de até um salário mínimo. Nessa faixa de renda, 44% das pessoas consideram o emprego a prioridade para o ano.

A melhora dos serviços de saúde recebeu 39% das menções. Quando considerada a margem de erro de dois pontos, a saúde fica empatada tecnicamente com a geração de emprego entre as prioridades para este ano.

Desta forma, na opinião da população, as cinco principais prioridades para 2021 são: promover a geração de empregos (41%), melhorar os serviços de saúde (39%), combater a corrupção (35%), melhorar a qualidade da educação (34%) e combater a violência e a criminalidade (25%).

No Sudeste do país, 39% da população assinalaram a saúde como prioridade, 38% apontaram o emprego, e 33% marcaram o combate à corrupção e 33% defenderam a melhora na educação. Os percentuais não somam 100%, pois cada entrevistado poderia marcar três prioridades.

No Norte/Centro-Oeste, o desemprego é uma preocupação para 52% da população, seguido por combate a corrupção (45%), educação (40%), saúde (40%) e segurança pública (38%).

No Sul, 46% elegeram como prioridade a saúde e 45%, o emprego. O combate à corrupção recebeu 40% das assinalações, educação ficou com 30% e segurança pública com 23%

No Nordeste, 39% consideram que a promoção do emprego deve ser prioridade, seguido de saúde (35%), educação (34%), combate à corrupção (29%) e segurança (25%).

Capital e interior: desemprego como prioridade. Periferia olha para a saúde

A promoção de empregos é a prioridade nas capitais e no interior, com 41% e 43% das assinalações respectivamente. Nas periferias, contudo, a prioridade é melhorar os serviços de saúde (44%). Em seguida, melhorar a qualidade da educação, com 40%. A promoção de empregos, nas periferias, cai para a terceira posição entre as prioridades, com 37%.

Desemprego: principal problema em 2020

O desemprego foi apontado por 51% dos brasileiros como o pior problema de 2020, independente do gênero, idade, renda, instrução, região ou porte do município. Os entrevistados deveriam apontar um problema em uma lista de 28 possibilidades, que incluíam saúde, educação, transporte, segurança e corrupção. A saúde, segundo lugar, recebeu 41% das menções.

 

Em terceiro lugar aparece a corrupção (36%) seguido da educação (31%). A segurança pública é citada por 25% dos brasileiros, sendo o quinto mais citado entre os três principais problemas do país em 2020.