A Companhia de Gás do Amazonas (Cigás), concessionária de serviço público de distribuição e comercialização de gás natural (GN) no estado, alcançou recorde histórico. A venda de GN atingiu o melhor patamar mensal em julho. Foram comercializados, no mês, em média 5,55 milhões de m³/dia. A economia proporcionada pelo combustível e a praticidade do fornecimento são as principais razões deste desempenho.

Maior demandante do gás natural distribuído e comercializado pela Cigás, o segmento Termelétrico consumiu 5,35 milhões de m³/dia no mês, o que contribuiu para o recorde registrado em julho. Grande parcela da energia elétrica consumida em Manaus é produzida por usinas termelétricas movidas a gás natural distribuído pela Cigás. Em se tratando do acumulado do ano, nos primeiros sete meses de 2021, a demanda por gás natural atingiu a média de 5,04 milhões de m³/dia – aumento de 3,3% ante igual período de 2020, quando a média registrada foi de 4,88 milhões de m³/dia.

O segmento Veicular continua a apresentar níveis crescentes de consumo. Pelo quarto mês consecutivo voltou a bater recorde. Apenas em julho, as vendas de gás natural veicular (GNV) atingiram o volume médio de 17,3 mil m³/dia. Outro destaque é a demanda do Polo Industrial de Manaus. As mais de 50 empresas do PIM que utilizam gás natural, em seu processo fabril, de segmentos como Duas Rodas, Termoplástico e Eletroeletrônico, consumiram em média de 151,7 mil m³/dia de janeiro a julho, crescimento de 30,9% no comparativo com o mesmo período do ano anterior.

Vantagens do gás natural

A versatilidade de aplicação é outro aspecto de destaque do gás natural, uma vez que o combustível pode ser utilizado na geração de energia elétrica e de vapor, aquecimento de fornos e secadores, como matéria-prima, na climatização de ambientes, cocção de alimentos, no abastecimento de frota de veículos, em empilhadeiras, dentre outros.

Outro benefício proporcionado pelo consumo do gás natural é o ambiental. A adesão ao GN, em Manaus, representou redução de 73% na poluição provocada pela queima de combustíveis líquidos e de 55% na emissão de gases de efeito estufa (metano e dióxido de carbono). Esses dados foram comprovados por meio de pesquisa produzida pela Green Ocean Amazon.