Poucas vezes o Amazonas foi tão prestigiados como nessa gestão até o momento. O presidente da República, Jair Bolsonaro, não apenas inseriu, desde o primeiro momento, seu compadre Cel. Alfredo Menezes na comitiva presidencial, mas ajudou diretamente na atração de novos investidores para a Zona Franca de Manaus. Vamos acompanhar isso e conferir os resultados dessa aproximação quase familiar entre Jair e Menezão.

 

Queimadas oportunas

 

Não se pode dizer que as queimadas São oportunas a não ser em duas situações. Uma é quando as populações tradicionais preparavam o roçado para o plantio da mandioca. Outra foi encontrada por Jair e Menezão para esclarecer a onda fake news de que a floresta virou uma labareda só para fazer propaganda de uma planta industrial que não usa chaminé, a Zona Franca de Manaus.

 

Descaso de antigamente

 

Em gestões passados, não há registros dos governos PSDB, PT e MDB abrirem espaço e se se envolverem diretamente com nossa região. Aliás, como o Brasil, tradicionalmente, se referiu a Amazônia como algo que não pode ser tocado, era uma razão, obviamente, hipócrita para não ser grosseiro. O que se via de fato era um descaso federal habitual debaixo de um discurso demagógico de proteção.

 

Burocracia e negligência

 

Desde que a OMC, Organização Mundial do Comércio e a EU, União Europeia, reconheceram a ZFM como um modelo de desenvolvimento capaz de gerar riqueza sem detonar os recursos naturais, as empresas começaram a se movimentar para saber as vantagens comparativas de investimentos no Amazonas. O que assustou foi a burocracia e o descaso do governo federal em construir infraestrutura para a região.