Um total de 39 empresas apresentaram 44 projetos que somam investimentos da ordem de R$5,21 bilhões a serem incrementados nos próximos três anos no Estado do Amazonas, garantindo a geração de aproximadamente 1.671 novos postos de trabalho, além de outros 630 que serão remanejados pelas próprias indústrias.

Esse é o resultado de projetos que foram submetidos ao Conselho de Desenvolvimento do Estado Amazonas (Codam), órgão ligado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti) até agora, mas a previsão é de que, até a data limite, esse número possa aumentar.

Destaque

Os projetos foram considerados “dentro das conformidades técnicas e legais” e aprovados ad referendum (decisão aprovada previamente pelo presidente do Codam e que será referendada posteriormente por todo o Conselho em reunião) para serem apresentados em pauta na 289ª Reunião Ordinária do Codam que está agendada para acontecer no dia 29 de Abril de 2021.

O destaque em valores foi para a indústria LG Eletronics do Brasil Ltda que submeteu dois projetos e que, sozinha, é responsável por 68% do total do investimento analisado, o equivalente a mais de R$3,5 bilhões.

No projeto, a LG informa que irá produzir os seguintes itens: “dispositivo de cristal líquido para televisor e monitor de vídeo, televisor em cores com tela de cristal líquido projetor de vídeo”.

Investimentos na capital e no interior

Os números de investimentos apresentados para a submissão do Codam, podendo aumentar até a data limite de recebimento, representam, na análise do titular da Sedecti, Jório Veiga, um indicativo de otimismo e de confiança do mercado por parte dos investidores.

“O valor dos investimentos comprometidos, mais de R$5,2 bilhões para os próximos três anos, é um indicador positivo de que os investidores continuam acreditando no modelo da Zona Franca de Manaus que conta, também, com os benefícios oferecidos pelo Estado do Amazonas”, enfatiza Veiga.

Além de Manaus, o município de Iranduba foi contemplado com um projeto de diversificação (empresas que já estão instaladas no Amazonas e que vão implantar a fabricação de novos produtos) prevendo novos investimentos da ordem de R$24 milhões para construção de embarcações.