A Deloitte divulgou um relatório afirmando que os ativos digitais podem em breve substituir as moedas fiduciárias. A empresa revelou isso em sua edição de 2021 da Pesquisa Global Blockchain.

De acordo com o relatório, a indústria de serviços financeiros (FSI) deve ter como objetivo a “modernização e distribuição de produtos” para garantir sua sobrevivência. A Deloitte sugere que essa adoção deve ser por meio da tecnologia blockchain e ativos digitais.

A pesquisa conduzida pela Deloitte acabou chegando em um resultado decididamente inesperado: três em cada quatro entrevistados acreditam que as criptomoedas vão substituir às moedas fiduciárias tradicionais.

A Pesquisa Global Blockchain da Deloitte 2021 é um estudo realizado entre março e abril com 1.280 “executivos seniores” de 10 países (Brasil, China, Alemanha, Hong Kong, Japão, Cingapura, África do Sul, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e EUA) com conhecimento básico de blockchain e ativos digitais.

Mudança “sísmica”

Ouvindo principalmente executivos de bancos, o relatório revelou o que a maioria pensa, criptomoedas como bitcoin e outros ativos virtuais podem substituir moedas fiduciárias como o dólar americano nos próximos 5 a 10 anos.

Os executivos descreveram isso como uma mudança “sísmica”, referindo-se à mudança radical que vai acontecer na economia.

A pesquisa agrupou os entrevistados em três categorias, Geral (todos os participantes),
FSI Geral (principais executivos da FSI) e Pioneiros da FSI (executivos de FSI que já usam blockchain.)

O relatório reconhece como a pandemia alterou drasticamente a norma e estimulou uma nova onda de digitalização.

Essas mudanças de digitalização necessárias não ocorreram sem desafios e dores de crescimento. No entanto, há um consenso geral de que as oportunidades oferecidas pela adoção de blockchain, ativos digitais, têm potencial de receita ilimitado.

Bitcoin e criptomoedas substituirão as moedas fiduciárias

De acordo com a pesquisa, 93% das principais personalidades do setor de serviços financeiros concordam totalmente ou de alguma forma com esse sentimento.

76% dos líderes financeiros globais acreditam que os ativos digitais se tornarão uma forte alternativa ou potencialmente substituirão as moedas fiduciárias completamente nos próximos 5 a 10 anos.

A empresa disse que suas descobertas afirmam que os bancos devem, portanto, abraçar o inevitável futuro digital. Isso se deve ao impacto previsto que os ativos baseados em blockchain devem ter na transformação do setor de serviços financeiros (FSI) de físico para digital.

Os ativos digitais estão perturbando todo o mercado financeiro, e todas as organizações e setores que são clientes dos instrumentos financeiros do setor de serviços financeiros (FSI), de dinheiro a ações e a infraestrutura para qualquer tipo de transação, estão mudando para melhor.”

Uma mudança acelerada foi observada em três áreas principais, depósitos e custódia, pagamentos e acesso a financiamento. A mudança também deu origem a um grupo mais dedicado de pioneiros da FSI que priorizaram blockchain e ativos digitais como parte de suas cinco estratégias principais para as visões de suas empresas.

Em depósitos e custódia, 63% dos pioneiros de FSI veem os ativos digitais tendo um papel importante em suas organizações, enquanto 63% disseram que isso ocorrerá com pagamentos insuficientes. 70% afirmaram que os ativos digitais aumentarão o acesso a fontes de financiamento.

81% do grupo de profissionais de finanças acreditam que a tecnologia blockchain tem o potencial de ampla escalabilidade e já alcançou a adoção convencional. Além disso, 73% acreditam que as organizações perderão a oportunidade de obter vantagem competitiva a menos que adotem blockchain e criptomoedas.

CBDCs

Não está claro se eles consideraram as CBDCs incluídas nesses “ativos digitais” ou não, em parte porque nem todos os entrevistados eram verdadeiros especialistas em ativos digitais.

Na verdade, as moedas digitais de bancos centrais (CBDC) nada mais são do que versões nativamente digitais de moedas fiduciárias tradicionais, que são nativamente analógicas, mas já amplamente utilizadas no formato digital.

Portanto, do ponto de vista financeiro e social, as CBDCs não devem ser consideradas nem ativos digitais nem criptomoedas, mas apenas novas versões de moedas fiduciárias tradicionais.

Em suma, elas têm poucas diferenças em relação às moedas fiduciárias tradicionais e compartilham com elas o mesmo valor, as mesmas políticas monetárias e a mesma natureza inflacionária.

Geralmente, entretanto, ativos digitais não significam versões digitais de ativos tradicionais, mas novos ativos, totalmente diferentes daqueles do passado, nativamente digitais e baseados em registros distribuídos ou, melhor, descentralizados.

Muitas das principais organizações financeiras tradicionais já estão integrando ativos digitais às ofertas de seus clientes. Até alguns meses atrás, instituições como JP Morgan e Goldman Sachs, eram avessos a adotar criptomoedas no sistema bancário convencional.

No entanto, ambas as instituições agora têm fundos de Bitcoin que atendem exclusivamente a clientes ricos.

 

 

 

Fonte: Livecoins