Com o objetivo de promover ações conjuntas com o setor secundário e fomentar o empreendedorismo biotecnológico, representantes do Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) visitaram, no fim de novembro, a sede da empresa Virrosas, em Manaus (AM). A equipe do CBA foi recebida pelos diretores empresariais Paulo Monteiro e Eduardo Monteiro.

Durante a agenda – que deu continuidade à recente visita dos representantes da Virrosas ao CBA – o gestor do Centro, Fábio Calderaro, e os pesquisadores da instituição puderam conhecer melhor as atividades realizadas pela empresa no estado. Além da parte administrativa, foi apresentada a estrutura fabril, as linhas de produção e as perspectivas empresariais de ampliar sua atuação na região.

Na ocasião, também foi discutida a possibilidade de se promover, nas instalações da empresa, o teste de fabricação em larga escala do kombucha hoje produzido nos laboratórios do CBA. O kombucha é uma bebida funcional com diversos benefícios comprovados à saúde e feita de forma totalmente natural, a partir da fermentação de bactérias e leveduras e sem adição de qualquer componente artificial. Devido à sua composição permitir a saborização de diversas formas, a bebida poder ter o gosto de frutas típicas da Amazônia ou mesmo uma mistura de sabores.

O gestor do CBA reforçou que a iniciativa ainda permitiria à empresa pleitear os benefícios da Resolução CAS 02/2021, que incentiva o uso de matérias-primas regionais nas linhas de produção de empresas instaladas na Zona Franca de Manaus (ZFM). “O intuito das visitas que temos feito é promover uma aproximação com o setor produtivo para melhor entendermos as demandas existentes e, com isso, buscarmos os melhores caminhos para fomentarmos o empreendedorismo biotecnológico junto do setor secundário. E esse exemplo do kombucha está alinhado a esta proposta”, disse Calderaro.

Eduardo Monteiro, um dos diretores da Virrosas, afirmou que uma parceria com o CBA “pode contribuir para o aprimoramento dos nossos produtos, como nos processos de fabricação do vinagre, por exemplo”. Ele também se mostrou interessado em avançar nos testes de produção em escala do kombucha apresentado pelo Centro e em aproveitar os benefícios diretos da Resolução CAS 02/2021, principalmente pela empresa utilizar, em suas linhas de produção, insumos regionais para fabricação de produtos da marca, como no caso do molho de pimenta com tucupi.

A empresa
Fundada em 1913, a Virrosas iniciou sua atuação em Manaus com a produção de vinagres. Com a evolução da empresa, que hoje está presente em seis estados, houve uma diversificação do portfólio, que passou a contar com cerca de 15 produtos como vinagres, molhos de pimenta, de alho, shoyu e inglês.

 

 

 

Foto: Márcio Gallo/Suframa