O Banco Central vai lançar no fim desse semestre o “Saque Pix”, sistema que retira dos bancos e lotéricas a exclusividade de serem os únicos operadores desse serviço. Qualquer loja cadastrada poderá ser um “terminal” de saque.

A possibilidade de saques em lojas físicas foi anunciada pelo presidente do BC, Roberto Campos Neto, em junho de 2020. A operação é igual a de uma compra tradicional. O usuário que tenha saldo na conta pode fazer uma transferência para o lojista por meio do Pix e receberá o dinheiro em espécie.

“A possibilidade de sacar em estabelecimentos comerciais vai dar mais opções de saque para toda a população, independentemente da instituição na qual os cidadãos possuam conta, além de trazer mais conveniência e capilaridade ao serviço”, disse o Banco Central (BC) no Twitter.

A medida, além de melhorar a vida no interior, onde os bancos e caixas eletrônicos são poucos, vai possibilitar aos próprios bancos escolher melhor onde deixar seus postos de saque tão visados por criminosos.

Além disso, os técnicos do BC também afirmaram que a medida trará mais segurança para os lojistas. A expectativa é que, com o início do saque Pix, os lojistas reduzam o número de idas aos bancos para fazer depósitos e, assim, dependam menos dos serviços de transporte de dinheiro.

O Saque Pix

A ideia é que o saque funcione da seguinte maneira:

– O usuário do Pix vai até o caixa de uma loja varejista e informa o quanto quer sacar em espécie usando o Pix.

– Quem está realizando o atendimento deverá gerar um QR Code do Pix e mostrar ao cliente, que fará a leitura desse código usando seu celular.

– Depois disso, ele recebe esse mesmo valor em espécie.

Em outras palavras: para sacar em espécie usando o Pix, o cliente faz um pagamento usando o QR Code e recebe o mesmo valor em espécie. O dinheiro sai da sua conta digital e você passa a tê-lo em notas físicas.